quinta-feira, 27 de abril de 2017

Umas reflexões aí depois de muito tempo...

De volta aqui depois de tantos meses é experimentar um sentimento nostálgico e ao mesmo experimentar algo novo sobre a vida. Incrível como em tantos meses a gente muda tão rápido a mentalidade, ainda estou chocada com tanta controvérsia em mim como uma úlcera que se forma e depois passa como se não fosse nada!

Enfim, quando você é empurrado de um penhasco nem sempre precisa se forçar a sacrifícios para retornar ao topo. Talvez cair tenha sido a melhor coisa que poderia acontecer para que possamos pensar sobre nós mesmos, mas principalmente perceber que não é necessário ir muito além para encontrar aquilo que tanto almejamos.

Não me sinto mais triste ou injustiçada aqui em baixo, finalmente consegui ver os raios de sol por entre as nuvens ou como afirma Durkheim, talvez eu tenha me conformado a minha condição e - em requisitos sentimentais e bem-estar pessoal e não apenas educação - eu até que estou bem aqui com meus iguais - mesmo que estes muitas vezes sejam o meu oposto.

É aquele ditado né, sair da adolescência sem chorar, rir, mudar, gritar e refletir não seria adolescência - caso pensemos que a adolescência seja algo criado assim como a infância foi para Ariès. Entrar na fase adulta só aumenta suas expectativas para um futuro diferente e divertido, mas na verdade te aumenta as responsabilidades diárias e um verdadeiro soco no estômago por colocar em um texto simples como esse estudos mais aprofundados da faculdade. Mas sabe? Eu meio que gosto disso.